Comprar Filhotes

Dicas e Curiosidades

AE04E

Animais tem depressão…

O animal tem depressão? Sim, assim como os humanos, qualquer mamífero pode ficar deprimido.  Nos animais de estimação, um dos principais sintomas é a falta de interesse pelas atividades rotineiras, como comer, passear, brincar.  A origem pode ser genética ou causada por doenças, como viroses.  Manter um animal isolado do carinho do dono ou preso em um ambiente pequeno [...]

Quem está online

Nós temos 3 usuários online.

Você está aqui: Destaques

13.09.11

Como escolher uma boa ração para o seu cão?

COMO ESCOLHER UMA BOA RAÇÃO PARA O SEU CÃO:

Por uma série de motivos, principalmente em relação à correria dos dias atuais, muita gente não tem condições de oferecer uma dieta caseira balanceada (não nos referimos a restos de comida) a seu cão ou gato. Para essas pessoas, a ração acaba sendo a opção mais prática. Mas diante de tantas opções de dietas comerciais disponíveis no mercado atualmente, será que você sabe escolher um bom produto para o seu animal?

Saiba o que é importante avaliar para escolher uma boa ração:

- Teor de Proteína:

Como os cães são animais carnívoros, uma ração de boa qualidade deve conter um teor adequado de proteína. Uma elevada proporção de proteína na formula da ração significa que a mesma contém um nível mais reduzido de carboidratos, o que é compatível com a alimentação natural desses canídeos.

Esqueça aquela história de que proteína faz mal aos rins. Isso só vale para animais com comprometimento renal. Um elevado teor de proteína torna a ração mais biologicamente adequada para o cão. A grande maioria das rações Super Premium apresenta teor de proteína adequado.

Prefira rações com teor de proteína bruta igual ou superior a 25%. Localize esse tipo de informação consultando o rótulo do produto. Para você ter uma idéia, nos Estados Unidos, as melhores rações do mercado, possuem um teor de proteína bruta de até 35 – 42%.

Em geral os fabricantes adotam um valor mais baixo de proteína, por ser este o elemento mais caro das rações e também porque rações com mais proteína e com baixo teor de carboidratos requerem um tipo diferente de processamento que ainda não é comum no Brasil.

Uma adequada ingestão de proteína está associada à manutenção da massa magra (musculatura), menor predisposição ao ganho de peso, pele e pelagem mais saudáveis e sistema imunológico mais competente.

- Composição:

É muito importante que a ração seja feita de alimentos com alto valor nutricional e alta biodisponibilídade, ou seja, ingredientes facilmente aproveitados pelo organismo do animal. Como os cães são carnívoros, é importante que a maior parte dos alimentos que fornecem proteína sejam de origem animal. Existem ingredientes mais e menos nobres. Por exemplo, farinha de carne de aves, de peixes, de carne bovina e de ovo integral são muito mais interessantes nutricionalmente do que farinha de subprodutos de animais ou mesmo farinha de penas.

Também é importante ficar atento aos alimentos que compõem as porções de carboidratos da fórmula. Inclusão de soja e seus subprodutos, por exemplo, não é bom sinal, já que esse grão é considerado um alérgeno alimentar para muitos animais suscetíveis. Prefira rações que apresentem grãos como arroz em sua composição e não apenas subprodutos de milho. Por fim, repare também nas fontes de ácidos graxos da fórmula. Óleo de peixe e gordura animal, por exemplo, são mais interessantes nutricionalmente do que óleo de soja. Outros ingredientes nobres podem enriquecer as rações: levedura de cerveja, condroprotetores (condroitina e glucosamina) e antioxidantes (vitamina C e E, selênio) em níveis adequados.

Existem ingredientes que nada acrescentam à nutrição do cão, como por exemplo, as uvas passas adotadas por algumas marcas. Além de serem potencialmente tóxicas para cães, são fontes de açúcar.

- Aditivos:

Todas as rações industrializadas contêm aditivos, como conservantes, palatabilizantes, estabilizantes, flavorizantes, aglutinantes, espessantes etc.,    eles garantem o adequado processamento e também a conservação do produto, dentre outras funções. Entretanto, hoje sabemos que uma alimentação exclusivamente baseada em alimentos industrializados e repletos de aditivos, em longo prazo pode causar alguns problemas de saúde, como alergias, alterações hepáticas etc.

Por esse motivo, convém escolher um produto com menos aditivos e fugir das rações coloridas. Existem hoje no mercado rações que empregam conservantes naturais, como óleo de alecrim e vitamina E, e muitas não incluem corantes em suas fórmulas.

Depois de avaliado os itens acima para a escolha da boa ração para o seu cão. Saiba mais:

POR QUE ALIMENTAR SEU CÃO COM RAÇÃO?

O cão é um animal que tem carências nutricionais diferentes das nossas, por isso sua dieta deve ser direcionada a atender essas necessidades. Quando alimentamos os cães com comida caseira, na grande maioria das vezes (quase sempre), não promovemos uma nutrição adequada. Por mais “sem graça” que possa parecer, a ração é, nesta maioria dos casos, a melhor opção. Por quê?

Podemos dar alguns argumentos favoráveis ao uso de ração ao invés de comida caseira:

1. NECESSIDADES DO CÃO – Por mais variada que seja a comida do cãozinho, não conseguimos oferecer-lhe uma dieta completa e balanceada. Mesmo dando carne, legumes e ovos, ainda assim não conseguimos balancear esta ração; e macarrão, arroz e fubá não são comida de cachorro.

2. A PRATICIDADE - Hoje em dia poucas pessoas têm tempo para fazer seu próprio almoço, muito menos a comida do cachorro. Para comprovar, basta-se observar que as vendas de comida congelada e desidratada têm aumentado de maneira significativa.

3. O CUSTO - Se colocarmos na ponta do lápis a despesa na elaboração de uma dieta para um cão, com: carne, ovos, legumes, complementos vitamínicos e minerais, e o trabalho que teremos adicionando cada ingrediente na medida certa para equilibrá-la. Comparado ao custo diário da alimentação a base de ração. Sem dúvida, a opção mais econômica será a ração (mesmo se esta for uma super-premium importada).

O QUE COMPRAR?

No Brasil, hoje, temos diversos tipos de ração com qualidades diferentes. Para facilitar o entendimento, vamos classificá-los em três grupos.

a) Rações Populares - São produtos mais baratos que existem no comércio. Normalmente, formuladas com subprodutos de milho, soja, farelo de algodão, etc. Tais ingredientes na ração de uma vaca, ou de um cavalo, seriam de excelente digestão, mas, voltando àquela historinha, nosso amigo é um carnívoro e precisa de proteína de origem animal, pronta a ser assimilada pelo seu organismo.

OBS.: Os vegetarianos de quatro patas têm a capacidade de transformar proteínas e carboidratos de baixa qualidade em “produtos mais nobres”. Os cães e gatos precisam dos produtos nobres já prontos.

b) Rações “Standard” - São produtos de empresas de renome. Por serem produtos de empresas maiores, têm um compromisso maior com a sua qualidade e são formuladas com ingredientes qualitativamente melhores que as rações populares. Contêm farinha de carne e ossos, glútem de milho, gordura animal, etc. Porém ainda não são “ideais” quanto à digestibilidade, porque se alcança o percentual de proteína com ingredientes de menor digestibilidade como a soja ou o glúten. Quanto ao custo, estão numa faixa intermediária de preços.

c) Rações Premium e Super Premium – São produtos de primeira qualidade, em nutrição canina, por isso mais caros. Têm sua formulação baseada em carne de frango, ovelha, peru… Porém, realmente carne, ou resíduos de abatedouro, como digestas de frango por exemplo. Tais ingredientes, de origem animal, têm maior digestibilidade, ou seja, o trato digestivo canino tem menos “trabalho” para metabolizá-los. Esta é outra característica das rações premium, como a digestibilidade é maior, o consumo diário de ração é menor (o que ameniza o preço da ração). Promovem, ainda, uma vida mais saudável. e reduzem o volume das fezes do animal.

Resumindo, quando compramos uma ração para o amigo peludo, devemos estar atentos aos níveis de garantia (percentuais de proteína, gordura, etc. ) e a qualidade dos ingredientes. Por exemplo, uma ração para cachorro deve ter, no mínimo, 18% de proteína. O que é relativo porque carne é fonte de proteína e pena da galinha também. Carne é bem mais digerível que pena. Outro detalhe é o equilíbrio entre percentuais de proteína e gordura. Não é eficiente uma ração com 30% de proteína e 8% de gordura, nem outra com 18% de proteína e 20% de gordura.

DÚVIDAS Mais freqüentes em relação a Ração:

Meu cão não come ração. Como acostumá-lo?
De maneira geral a ração industrializada é o meio mais simples, eficaz e recomendado para alimentar os cães. São práticos para os donos e contém todos os nutrientes de maneira balanceada para que o cão se desenvolva bem.
O principal obstáculo para que o cão se acostume com a ração – exceto nos casos em que alguns raros cães são  alérgicos a algum ingrediente – é o proprietário, que sente ´culpa´ por obrigar o cão a comer ração.
E como os cães são mestres na arte do drama, enquanto ele perceber que se fizer escândalo ou greve de fome ao lado da mesa vai ganhar alguma coisa diferente não vai querer comer a ração mesmo.
Nunca se viu um cão morrer de fome numa casa em que tenha comida! Portanto, o caso é criar o hábito.
Se ele sempre comeu comida caseira, o ideal é ir misturando ração e comida e aos poucos ir diminuindo a quantidade de comida e aumentando a ração.
Fixar horários de alimentação também é essencial. Forneça a ração duas vezes ao dia – para cães adultos – e caso ele não coma, simplesmente tire o prato. Na próxima vez ele vai pensar melhor.
Evitar dar petiscos fora dos horários das refeições também é um bom começo.

Qual é a Melhor Ração para o meu cão?
Não existe uma ração boa que atenda da mesma forma todos os cães. Existem cães que podem adaptar-me melhor a um tipo de ração e não a outro, ainda que o segundo seja considerado melhor.

A indústria de rações divide a produção segundo a qualidade da matéria-prima empregada para a produção da ração. As rações com a melhor qualidade de matéria-prima são as super-premium, seguidas pelas rações Premium e Standard. O mais importante na escolha da ração é consultar o veterinário que acompanha o cão e pedir a ele uma indicação que atenda de maneira ideal às necessidades do seu cão.
De maneira geral, a pirâmide pode ser organizada da seguinte maneira:

Super-premium 

  • Eukanuba (IAMS)
  • Hills Science Diet (Hill’s)
  • Linha Size Royal Canin (Royal Canin)
  • Match Super Premium (Sagemuller)
  • Pedigree Advanced (Effem)
  • Nutro Choice Lamb & Rice (Yporã)
  • Ossobuco (Nutron)
  • Premier Pet (Premier Pee)
  • Pro Plan (Nestlé)
  • Guabi Natural (Guabi)
Premium 

  • Royal Canil Club Croc (Royal Canil)
  • Faro (Guabi)
  • Foxy (Provimi)
  • Friskies (Nestlé)
  • Golden Fórmula (Premier Pet)
  • Kibbles & Softs (Total)
  • Petisko Premium (Itambé)
  • Pedigree (Effem)
  • Premium Dog (Royal Canil)
  • Tutano
Standard 

  • Bonzo (Purina)
  • Big Boss (Total)
  • Croc Dog (Socil)
  • DeliDog Semi Úmida (Purina)
  • Frolic (Effem)
  • Herói (Guabi)
  • Karina Premium (Purina)
  • Lider Chips (Total)
  • Max Buffet (Total)
  • Nero (Total)
  • Nutridog (Provimi)
  • Pedigree Champ (Effem)
  • Petisko (Itambé)
  • Royal Canin Selection (Royal Canil)

Qual a quantidade de ração que eu devo dar ao meu cão?
A quantidade de ração que você deve dar depende da ração que você está adotando. Em tese, quanto melhor a qualidade da ração, maior será o aproveitamento do cão e menor a quantidade necessária.

Todas as rações trazem nas embalagens as quantidades diárias recomendadas de acordo com o grau de atividade do cão e sua idade. Na dúvida, a melhor coisa é consultar o veterinário que cuida do seu cão e que conhece o tipo de atividade que você proporciona a ele.

Tenho um cão e um gato. O cão adora a ração do gato. Faz mal?
As necessidades nutricionais de cães e gatos são COMPLETAMENTE diferentes. Por isso existem alimentos diferentes. Não se deve substituir as rações em nenhum dos dois casos.

Posso deixar a ração o dia todo?
A não ser que não haja outra forma, é preferível estabelecer horários para as refeições. Estabelecendo horários fixos, além de você controlar a quantidade de comida ingerida pelo cão, você evita que outros animais e insetos contaminem a ração do seu cão.
O que nunca deve faltar ao seu cão é água limpa e fresca.

Quantas refeições eu devo dar para o meu cão?
O ideal para um cão adulto é que a porção diária de ração seja dividida em duas refeições. Lembrando sempre que no caso dos cães de guarda, a refeição deve ser evitada nos horários em que ele deve ´trabalhar´, uma vez que após as refeições o metabolismo tende a diminuir para que o organismo se ocupe da digestão.
Filhotes após o desmame devem comer de 3 a 4 vezes por dia.

Posso usar leite para amolecer a ração? É verdade que os cães não podem tomar leite?
Em primeiro lugar, a não ser que estejamos falando de filhotes em processo de desmame ou de cães idosos em que os dentes caíram, não há a menor necessidade de amolecer a ração. Amolecer a ração com água ou com leite faz com que ela em pouco tempo azede o que pode causar grandes diarréias ao cão.
Os cães não digerem bem o leite de vaca porque o leite de vaca é rico em lactose. Por isso, normalmente após o processo de desmame não há nenhuma recomendação para que leite faça parte da dieta do cão. E neste caso, estamos falando de qualquer leite: desnatado, gordo ou semi-desnatado.

Meu cão enjoou da ração. Posso trocar?
Poder, pode, mas é importantíssimo entender que, ao contrário de nós, que possuímos um aparelho digestivo capaz de digerir qualquer alimento, o aparelho digestivo do cão desenvolve uma flora intestinal específica para o tipo de alimento que ele está recebendo. Por isso, ao trocar a ração é importante fazer a adaptação paulatinamente, misturando a ração nova e a antiga em partes iguais e aos poucos ir deixando só a nova.
Caso a adaptação seja impossível, esteja preparado para enfrentar uma bela diarréia.

Até quando devo dar ração de filhote para o meu cão?
Normalmente para raças pequenas, considera-se adulto um cão de 12 meses. Em raças maiores este prazo vai até 18 meses. A troca de ração de filhote deve ser acompanhada e autorizada pelo veterinário, que é quem conhece o ciclo de desenvolvimento do seu cão.

Que outros alimentos posso dar para o meu cão?
De maneira geral, prefira sempre os petiscos e latinhas formuladas especialmente para cães.
Frutas, exceto as cítricas, podem ser dadas com moderação e após consulta ao seu veterinário. O importante, sempre, é que o cão não troque o petisco pela refeição balanceada.

Posso dar restos de comida para os cães?
Não se deve dar restos de comida para cães. Especialmente diante da variedade de rações existentes.
Existem pessoas que, através de um programa alimentar balanceado, alimentam seus cães com a chamada Alimentação Natural, mas esse programa alimentar não tem nada a ver com dar restos de comida aos cães.

ALGUNS CONSELHOS

- Cadelas gestantes devem comer rações de filhote a partir do 30º dia até o fim da lactação. Esta prática reduz a chance de ocorrerem problemas futuros com a cadela prenhe. Além de aumentar sua vida reprodutiva.

- Os filhotes devem comer ração de filhote até atingir o tamanho adulto (o que varia de raça para raça)

- Cães de raças grandes devem receber dieta adequada, sem exageros, para um crescimento equilibrado e uniforme. Uma dieta reforçada demais pode trazer problemas de “calcificações indesejadas” no futuro.

- Os cães precisam de abrasão para seus dentes, portanto ofereça o que ele possa usar para isso. Esta medida é profilática a formação de tártaro, o que pode causar até a morte de seu cão. Por exemplo: o cão deve ter cotidianamente um osso, ou um brinquedo rígido, ou qualquer outro artifício para “escovar” seus dentes. Esta necessidade diminui à medida que o cão se alimenta apenas e tão somente de ração seca.

- Evite oferecer ao cão petiscos do tipo: biscoito humano, pão, chocolate, pipoca… mesmo que ele goste muito. Estes alimentos estão freqüentemente envolvidos em casos de alergias alimentares, assim como macarrão, fubá e outros alimentos à base de amido. Essas alergias alimentares têm quadros variados que vão de simples coceira até feridas na pele e febre.

- A oferta de carne somente pode levar o cão problemas de raquitismo nutricional por causa do desequilíbrio entre Cálcio e Fósforo que ocorre em animais com este tipo de dieta.

- Uma ração de qualidade comprovada, preferencialmente as do tipo “premium”, dispensam qualquer outra suplementação mineral ou vitamínica. E se for seca reduz a incidência de tártaro, dispensando, por vezes, o uso de abrasivos.

- Seu cão dificilmente enjoa da ração, simplesmente ele está satisfeito e não quer comer. Se ele está brincando normalmente, com sua vitalidade natural e ficar um dia ou outro sem comer não se assuste, permaneça oferecendo a mesma ração que você conscientemente escolheu para ele.

- Não existe ração ideal para todos os cães. Cada animal reage de uma maneira diferente. Tem cães que se adaptam perfeitamente a rações populares e outros que não se adaptam às super-premium. Por isso, a melhor pessoa para orientar sobre qual é a melhor opção de ração para cada cão é o médico veterinário que acompanha sua saúde. Ele é capaz de avaliar os parâmetros corretos e saber se a dieta é satisfatória para cada cão especificamente.



Copyright © 2014 - Comprar Filhotes. Desenvolvido pela Interative Web

Interative